Review de Coprólitos do Marcatti

Capa

Capa

Marcatti sempre foi um autor independente que fez sua própria história e se mantém na ativa ainda hoje com iniciativas louváveis e mantendo o seu pioneirismo na publicação autoral independente.

Sua última iniciativa foi o lançamento de uma coletânea dos melhores e mais escatológicos quadrinhos de uma longa produção, principalmente dos anos 1980 e 1990, pelos sistema de crowdfunding da Catarse.

Ultimamente temos encontrados várias iniciativas de lançamentos de quadrinhos autorais pelo sistema de financiamento coletivo no Brasil. Algumas acabam não vingando, mas quando temos um autor já mais estabelecido, como foi o caso do Marcatti, o projeto extrapolou a quantia necessária e arrecadou mais do que o dobro exigido.

Mas como não participei do projeto, acabei adquirindo meu exemplar no próprio site que Marcatti mantém e que você pode também adquirir outras obras dele.

O álbum Coprólitos tem a marca de ter sido impresso de maneira quase que artesanal, um meio termo entre o fanzine xerocopiado e a produção profissional gráfica. Além da qualidade das obras reunidas, além de uma divertida leitura, revela um cuidado e esmero com a produção gráfica, seja pelo cuidado com a tipografia ou pelo índice remissivo de suas obras.

Dos seus quadrinhos é bom avisar: quem não curte escatologia é melhor não adquirir. Se eu tivesse criado aqui um sistema de avaliação de quadrinhos, daria nota máxima tanto pela iniciativa quanto pelo valor da obra do Marcatti.

Review de Monstros dos Fanzines: Joacy Jamys

Monstros dos Fanzines no.1

Monstros dos Fanzines no.1

Não poderia deixar de escrever algo sobre este fanzine: na mesma linha de Quadritos, seu editor Marcos de Freitas lançou um especial com quadrinhos do Joacy Jamys, um artista independente que acompanhei nos anos 1980 e que para a minha surpresa faleceu há alguns anos atrás muito jovem ainda.

A edição contém 136 páginas e faz um apanhado geral sobre toda a produção de Joacy Jamys nos anos 1980 e 1990, com inúmeros quadrinhos publicados pelos fanzines que Jamys editou e colaborou. Ainda me lembro dos fanzines que adquiri com ele naquela época, que era o Legenda e posteriormente o SingularPlural, em associação com outros artistas do Maranhão.

Uma característica em geral dos que faziam seus quadrinhos e publicavam nos fanzines era a criação de histórias curtas, às vezes em uma página só. Assim neste volume de Monstros dos Fanzines encontramos inúmeras histórias do Jamys, abordando os mais variados estilos e temáticas, sendo a principal o gênero de ficção e fantasia.

Uma pena o trabalho não ter uma certa ordem cronológica, pois daria para perceber melhor a evolução do Jamys ao longo dos anos. Mas isso não impede de admirar um cara que marcou época na cena dos fanzines no Brasil e fez sua história pessoal virar uma marca ainda hoje reconhecida no meio independente.

A iniciativa de Marcos de Freitas é louvável pois resgata um artista que atuou muito nesta cena de quadrinhos independente brasileiro, muito anterior a internet e a certas facilidades que encontramos hoje, e trás uma edição caprichada com capa colorida, impressa em papel especial.

Contém ainda um artigo escrito por Gazy Andraus contando a história de Jamys e uma breve entrevista nos mostrando um pouco mais de sua personalidade.

Para que puder apoiar esta iniciativa é só entrar em contato pelo Blog do Quadritos.

Review do Fanzine Quadritos

Capa e Contra-capa de Quadritos 11

Capa e Contra-capa de Quadritos 11

Falar do Fanzine Quadritos é falar do saudoso tempo dos fanzineiros no Brasil: no final da década de 1980 e começo dos anos 1990 o Brasil viveu um período glorioso da efervescência dos fanzines.

Cópias xerocadas, grampeadas uma a uma, com artigos escritos com máquinas datilográficas e recheadas de quadrinhos independentes circulavam pelo Brasil inteiro, com a ajuda dos Correios.

Muito antes da internet promover o acesso a informação no Brasil e no mundo, era nos fanzines que buscávamos o novo e o inusitado na produção independente brasileira e no mundo.

Enquanto hoje encontramos uma certa dificuldade na imensa variedade de fontes de informação que a internet proporciona, na época áurea dos fanzines cada novidade era absorvida com sede incontida. Ter participado deste momento é motivo de orgulho ainda hoje.

Na história do Quadritos esta publicação foi um dos poucos que se destacaram e se tornaram uma referencia para todos que se iniciavam pelo universo dos fanzines.

Haviam muitos fanzines, e eu mesmo cheguei a editar alguns deles, mas alguns tinham o dom de merecerem ser o centro das atenções e aglutinavam o chamado “movimento”. Outras publicações foram o Psiu, o SingularPlural e a Marca de Fantasia.

Não cheguei a ter uma participação tão ativa naqueles tempos: ainda era um adolescente que não sabia o que queria, mas gostava daquele mundo de trocas de fanzines, de editar seus próprios quadrinhos, de escrever sobre eles e ter uma voz e ser ouvido por alguém. Mas o pouco do que participei me deixou boas lembranças e recentemente resolvi ir atrás de quem me lembrava que editava os fanzines, com a ajuda do onipresente Google.

Assim fazendo uma rápida pesquisa me deparei com o Blog do Quadritos, e que neste ano de 2013 seu criador Marcos de Freitas retomou seu fanzine da época em que editava e vem promovendo assim um revival destes áureos tempos que o fanzines circulou pelo Brasil naqueles tempos.

Quadritos no.10

Quadritos no.10

Quando recebi minha encomenda pelo correio foi deja vu: lá estavam os fanzines envelopados com todo cuidado para chegar a mim. Foram quatro edições adquiridas: o Quadritos de no.10 e 11, o especial Monstros dos Fanzines no.1 com Joacy James e o Quadritos Extra no.1 com Vaughn Bodé. Todas as edições impressas em offset e papel couché 90g, muito bem impressas e com qualidade excepcional.

Na edição de no.10 o Quadritos retoma a numeração de onde parou e de certa forma é comemorativa dos 26 anos de história, republicando quadrinhos de artistas consagrados deste período: Flavio Colin, Will e Laudo, Flávio Calazans, Marina Zlander e Jacob Klemencic, Gazy Andraus e Mozart Couto.

São 40 páginas dedicadas ao quadrinho independente brasileiro, pioneiros do século passado! Retoma de certa forma a tradição do fanzine como ponto de partida de revelar artistas e valorizar a história do quadrinho brasileiro.

Quadritos no.11

Quadritos no.11

E a edição de no.11 do Quadritos ressurge como um verdadeiro tomo: 100 páginas reunidas com o melhor de quadrinhos e resenhas sobre diversos assuntos, além da capa colorida por Emir Ribeiro.

Encontramos os seguintes artistas: Bira, Flávio Calazans, Gazy Andraus, Luciano Irthum, Henrique Magalhães, Edgard Guimarães, do próprio Marcos Freitas e Batata, do Emir Ribeiro e de Vaughn Bodé.

Além dos quadrinhos, mais alguns artigos sobre reviews e uma longa entrevista com Calazans que reconta um pouco da história deste momento que os fanzines viveram nos anos 1980 e a reafirmação do quadrinho nacional nos anos 1990 com as publicações independentes daquela época.

O criador do Quadritos Marcos Freitas atua também como um publisher independente: além de sua publicação criou iniciativas para publicar histórias em álbuns fechados, como o Monstros dos Fanzines, que em sua primeira edição reuniu boas histórias de outro artista que fez história nos fanzines o Joacy Jamys.

Para quem quiser conhecer e apoiar esta iniciativa é só entrar em contato pelo Blog do Quadritos ou enviando um email para fanzinequadritos@gmail.com. Em tempo: os exemplares são muito baratos: só para se ter uma idéia o Quadritos no.11 custa somente 10 dilmas, com mais o custo de Correios por 2 dilmas.

Joacy Jamys

Joacy Jamys

Vaugh Bodé

Vaughn Bodé

Fanzine Quadritos: unboxing!

Nesta semana chegou uma encomenda dos Correios que aguardava ansioso: o fanzine Quadritos!

Me lembrei da época que aguardava o carteiro passar em casa para deixar as correspondencias com os fanzines dentro dos envelopes, alguns mais amassados, outros meio sujos, mas o importante é que chegavam em casa. Esse período deve ter durado mais de dois anos e hoje depois de 20 anos estou recomeçando minha coleção de zines também.

Recentemente fuçando pela internet redescobri um fanzine que cheguei a entrar em contato na época e que era bem conhecido pelos fanzineiros nos anos 1990: o Quadritos, editado pelo Marcos Freitas.

O Marcos tem um blog e lá você conhece mais sobre os fanzines que ele edita, além de entrar em contato para adquirir também.

Em breve vou fazer um review detalhado dos fanzines, enquanto isso fiquem com um unboxing da encomenda que chegou:

Qual o melhor meio digital para se ler quadrinhos? Parte 3

Watchmen

Watchmen no Kindle

Depois da euforia inicial de ter um aparelho novo para a leitura de quadrinhos, o Ipad foi cansando e já demonstrava certas limitações, principalmente o peso para se ler deitado na cama.

Normalmente o tempo de leitura dispensado por mim ocorre nos momentos que antecedem ao sono; outro momento é quando você está no banheiro sentado no trono. É lógico que o bom senso recomende que você faça suas leituras sentado para entender melhor ou que ficar muito tempo no vaso faz mal a sua saúde, mas nem sempre você fica preocupado com essas coisas.

Assim, quando um parente meu falou que iria viajar aos EUA, pedi a ele que trouxesse um Kindle de segunda geração modelo keyboard. A melhor coisa que o Kindle possui é o seu peso leve, um design bacana e fácil de segurar com uma mão só.

No começo o Kindle era só para leitura de e-books, mas uns dois anos atrás com o surgimento do tablet da Amazon, foram disponibilizados em sua app store quadrinhos para compra, além de música e filmes. O aparelho mostrou-se perfeito para ler na cama, confortável e melhor até que segurar um livro aberto.

Só ficava pensando como eu poderia aproveitar melhor para a leitura de quadrinhos, já que na loja da Amazon os títulos são todos em inglês.

Kindle Comic Creator

Kindle Comic Creator

Tudo começou a mudar quando a Amazon lançou o Kindle Comic Creator para que autores independentes publicassem seus quadrinhos direto na loja da Amazon, assim como fez com os escritores de livros. Já escrevi a respeito disso antes e você pode ler aqui.

Além disso com esse programa a Amazon permitiu a qualquer um que pudesse converter seus quadrinhos em arquivos para serem lidos no Kindle, mas o principal benefício é poder desenvolver a leitura quadro a quadro, no chamado modo panel.

Como a tela do Kindle é pequena e não possui boa resolução para imagens, o modo panel é a solução adequada para se ler quadrinhos. Como o Kindle é confortável de se segurar, não cansa a sua leitura pois a tela não é iluminada como os tablets.

E como ainda tenho o modelo antigo do Kindle, acredito que por sua tela não ser touch não há os toques acidentais que fazem com que você mude sua tela de leitura sem querer.

O modo panel em ação no Kindle

O modo panel em ação no Kindle

Mas é lógico que nem tudo é perfeito: como a resolução de uma tela em e-ink não é apropriada para imagens, a forma com que você lê certas ações ficam prejudicadas na leitura, e nem toda arte fica bem na tela e-ink, principalmente os quadrinhos que abusam mais da diagramação.

Além disso o preço do Kindle no Brasil é proibitivo: R$299 por um aparelho que nos EUA custa $69 doletas no modelo mais simples. Se tiver alguém que traga de fora é uma aquisição que vale a pena.

Mas por enquanto acredito que mesmo dando um pouco de trabalho convertendo sua coleção para leitura no Kindle, acredito que seja a melhor opção para se ler gibis e poder carregar sua coleção por aí.

Como ainda não tenho o Kindle Touch, não sei dizer se a tela touch permite a leitura mais agradável, e nem se com o novo modelo de Ipad, que é mais leve, ou até mesmo com o Ipad Mini se a leitura não seja melhor.

The Phantom Lady Omnibus [Fantastic Femmes of the Comics] [Kindle Edition]

Um exemplo de gibi disponível na Amazon: “The Phantom Lady Omnibus”

Quadrinhos no Ipad: coleção Moebius da editora Nemo

Imagem A editora Nemo vem desde o seu lançamento em 2011 alcançando boas críticas no mercado de quadrinhos no Brasil, oferecendo excelentes álbuns em acabamento gráfico e trazendo autores europeus que há muito não vinham mais sendo publicados, além de outras tantas obras que continuavam inéditos por aqui.

Mas uma expectativa criada era a possibilidade deles partirem também para a publicação no formato digital, já que aqui no Brasil não encontramos muitas opções de qualidade em nossa língua.

Eu não sei exatamente desde quando começaram a oferecer tais títulos, mas está agora disponível na Apple Store a Coleção Moebius já lançada pela própria editora nas livrarias.

Encontrar tais coleções disponíveis no Ipad e também em português é uma oportunidade boa para que a gente tenha mais opções com qualidade para a leitura de quadrinhos.

Um detalhe do álbum disponível para download

Um detalhe do álbum disponível para download

2

Toda a coleção Moebius disponível

Acessando via iTunes você encontra todos os álbuns disponíveis e a um preço bem camarada: $9,99 doletas. Convertendo em reais de hoje deve dar uns R$27,00. Comparando com o preço dos álbuns que são vendidos em livrarias por R$49,00 ganha-se um boa economia, principalmente se você pretende adquirir todos os livros da coleção.

O porém é que tais livros só podem ser lidos em um Ipad ou Iphone, limitando um pouco o acesso aos quadrinhos no futuro, caso você troque por outros modelos de outras marcas.

Agora é de se pensar qual o melhor investimento a se fazer: gastar um pouco mais mas ter o álbum de quadrinhos em sua estante, ou economizar um pouco e carregar tudo embaixo do braço junto com o Ipad?

E para finalizar alguns desenhos do Moebius encontrados por aí pela internet!

Auto retrato por Moebius

Auto retrato por Moebius

 

Iron Man!

Iron Man!

Qual o melhor meio digital para se ler quadrinhos? Parte 2

Ipad no banheiro

Ipad no banheiro

Quando surgiu o primeiro modelo do Ipad, tive uma vislumbre: ali estava o meu leitor de quadrinhos digital! Cansado de tanto ler quadrinhos numa tela pequena de smartphone, a tela grande e confortável de um tablet era uma maravilha.

Consegui comprar o modelo de 32 GB de memória, já pensando na quantidade de arquivos que poderia guardar no Ipad. Além do iOS ser um sistema estável e que roda tranquilo sem engasgos, o Ipad também conta com uma bateria de longa duração e uma coleção de apps para brincar, ser produtivo e levar a internet para a cama, o sofá e principalmente para ler no banheiro!

Mas com o tempo de uso foram surgindo as inconveniências.

Em primeiro veio a questão do peso do aparelho. O Ipad é leve mas com o tempo ele começa a cansar em suas mãos. E ainda era o primeiro modelo de Ipad, o mais pesado de todos, cerca de meio quilo.

Em segundo vem a tela: o brilho começa a incomodar depois de meia hora de leitura, principalmente em ambiente escuro.

Em terceiro vem a forma de colocar seus arquivos digitais no Ipad. É preciso usar um computador, acessar pelo iTunes, e marcar manualmente toda a coleção para então poder ler no Ipad. Mas se seu arquivo está em cbr é preciso adquirir um app específico para leitura.

bookman

Bookman

Na época pesquisei um pouco e adquiri o Bookman por $0,99 centavos de doletas. Só que o Bookman não permite a leitura de arquivo em jpg, somente o cbr e pdf. O app organiza bem sua coleção e você tem várias formas de montar suas coleções: por autores, por revistas, por interesse, além de ajudar a guardar quantas revistas já leu ou em que parte você parou.

Para leitura de quadrinhos em jpg tinha que transferir pelo Fotos e depois você tinha que visualizar seus quadrinhos como se fossem fotos, passando um a um as imagens. O problema é que ainda seus quadrinhos ficavam junto com suas fotos e não era uma coisa legal, pois ficavam tudo misturados.

Em quarto descobri que as cópias que você encontra pela web não tem uma boa resolução. É como baixar aquela cópia de filme pirata e para não ocupar muito espaço nem demorar tanto para baixar o arquivo só tem 600 MB, e quando você assiste se depara com uma imagem toda pixelizada e recortada. Com alguns quadrinhos acontece o mesmo e sinceramente, estraga muito o prazer da leitura.

Enfim, o Ipad proporciona muitas qualidades e conforto mas deixa a desejar em certos aspectos práticos na leitura de sua coleção de quadrinhos. Mas será que haveria mais uma outra forma de se ler gibis? Ainda temos o Kindle, mas já é assunto para um próximo post.

Bookman

Bookman

Bookman

Bookman

Revista Animal no.3

animal

Animal no. 3

Continuando com a nossa coleção da revista Animal, vamos conhecer o terceiro número, editada pela VHD Diffusion no longínquo ano de 1988.

Meu exemplar na verdade se encontra em um estado não muito apreciável, a capa está solta e a contra-capa se perdeu. As páginas estão um pouco amareladas, mas ainda continua legível. A capa trás  como destaque o personagem da série de Burton&Cyb, ampliada da história que consta na revista e publicada pela primeira vez no Brasil, escrita pelo Antonio Segura e desenhada pelo Jose Ortiz.

A revista contém 68 páginas, sendo 16 coloridas em papel especial, 32 páginas em preto e branco em papel couché e 16 páginas em papel jornal com o encarte MAU.

Esse tipo de impressão era um diferencial da Animal em relação a outras publicações e na época trazia uma diferença de qualidade que chamava muito a atenção nas bancas. Era uma maneira de mostrar ao público um quadrinho adulto, com alta qualidade artística mas com temáticas underground, ao contrário do que estávamos acostumados com revistas impressas só em papel jornal e tudo em preto e branco.

Burton&Cyb: Eu, robot. Você, escroque!

Burton&Cyb: “Eu, robot. Você, escroque!”

Assim a primeira história mostra a arte de Ortiz com todo o seu colorido e expressividade nos detalhes. Nas revistas europeias cada série tinha histórias curtas com 8 páginas, e eram publicadas periodicamente, até serem reunidas em um luxuoso álbum de quase 50 páginas em capa dura ou cartonada e colecionáveis.

A série de Burton&Cyb fez parte da invasão criativa dos autores espanhóis pelo mundo dos quadrinhos nos anos 80, sendo publicados em vários países, mas infelizmente no Brasil só foram publicados algumas poucas histórias.

Cyb

Cyb

Seus personagens são dois anti-heróis que vivem pelo universo aplicando golpes, ganhando dinheiro as custas dos outros e vivendo loucas aventuras com  os mais variados personagens extra-terrestres.

E tudo ambientado num ambiente sci-fi, que ao contrário do que se costuma encontrar em histórias do gênero, no futuro mesmo o homem indo ao espaço, os problemas continuam os mesmos: violência, roubo, putaria, etc.

Em seguida encontramos o tradicional índice da revista, com um desenho da Mariza Dias Costa, ilustradora da Folha de São Paulo. Aqui temos uma ideia geral do conteúdo da revista.

Índice

Índice

E mais um detalhe da continuação da história anterior do personagem principal trazido pela Animal: Ranxerox!

A sinopse da história até esta edição

A sinopse da história até esta edição

Continuando com outro artista publicado pela primeira vez também no Brasil o italiano Massimo Mattioli com seus personagens inspirados nos cartoons norte-americanos, mas já publicados aqui em outro post.

SAMSUNG CSC

Um grande artista europeu mas que dispensa apresentações é o italiano Milo Manara, com seu desenho inconfundível. Esta curta história do Manara faz parte do álbum Curtas Metragens, editado pela L&PM também em 1989, e que reuniu oito histórias com temáticas sensuais, oníricas e de fantasia, escritas e desenhadas por esse grande mestre do quadrinho mundial.

O último e trágico dia de Gori Bau e Callipigia Sister

“O último e trágico dia de Gori Bau e Callipigia Sister”

As mulheres de Milo Manara

As mulheres de Milo Manara

Em seguida encontramos a coluna de quadrinhos TAM-TAM, que também servia como um editorial e apresentava os desenhistas para os brasileiros e contava um pouco da história de cada um.

Também noticiavam algumas notícias do mundo dos quadrinhos (com certo atraso pois a periodicidade da revista não era seu forte) e assim a gente ia se inteirando sobre o que acontecia lá fora. Esse era o mundo sem a internet nos anos 1980!

TAM-TAM

TAM-TAM

E mais um detalhe da coluna TAM-TAM: a notícia da morte de Andrea Pazienza, um dos criadores de Ranxerox e até então desconhecido no Brasil.

No álbum Ranxerox, da editora Conrad, lançada em 2010 com toda a série completa, temos um artigo muito bom que conta a história por trás do surgimento da Frigidaire e pretendo também um dia escrever algo a respeito neste blog.

Ranxerox de Pazienza

Ranxerox de Pazienza

Continuando com a série Kraken escrita por Antonio Segura e desenhada magistralmente pelo Jordi Bernet, são mais outra dupla espanhola que fez sucesso pelo mundo e são muito reverenciados.

A série trata de um monstro conhecido por Kraken, que vive nos esgotos de uma gigantesca metrópole, e são patrulhados por uma polícia cujo personagem principal vai enfrentando criminosos e o lado podre da sociedade.

Na França saiu neste ano um álbum com série toda reunida, veja neste link.

Kraken

Kraken

Mais uma história do meu herói preferido: Edmundo, o Porco! Escrito por Martin Veyron e desenhado por Jean-Marc Rochette.

No original em francês Edmond le Cochon surgiu em 1978 inspirado pelo underground americano e fez sucesso na França, sendo publicado pela cultuada revista L’Écho des Savanes, e foram publicados quatro álbuns com o cínico porco entre 1980 e 1993.

 Ambientado numa fazenda, conta a história do porco Edmundo cujo trabalho é procriar as fêmeas e engordá-las para o abatedouro. Ou seja um gentle-man!

Edmundo, o Porco

Edmundo, o Porco

Sacanagem!

Sacanagem!

Surge nesta terceira edição uma seção de cartas! A comunicação com seus fiéis leitores é a base do sucesso da revista. Apesar que por conta de falta de espaço logo abandonaram a seção de cartas.

Os elogios e o quebra-pau dos leitores!

Os elogios e o quebra-pau dos leitores!

O Lobo e o Cordeiro por Bernard Chiavelli é outro representante do quadrinho francês, que iniciou sua carreira nos anos 70 e publicou em outra tradicional revista francesa Pilote.

História clássica do Lobo e o Cordeiro

História clássica do Lobo e o Cor

Final surprendente!

Final surprendente!

Mais outra novidade: Magnus com  “A parede pintada”.

Italiano cujo verdadeiro nome é Roberto Raviola, famoso por seus fumetti neri, quadrinhos noir em italiano. Veterano, iniciou sua carreira em 1964, fez várias séries de sucesso e participou de todas as revistas de quadrinhos de respeito como Métal Hurlant e L’Écho des Savane.

Mas o principal motivo pela qual está sendo publicado pela Animal é que futuramente sua obra mais insanamente divertida e pornográfica Necron será publicada em edição especial, e da qual vamos dedicar um post só para ele.

Detalhismo de Magnus nos desenhos

Detalhismo de Magnus nos desenhos

Um quadrinho de humor europeu, outro francês René Pétillon, que apresenta seu personagem Jack Palmer, um detetive que fez sua estréia em 1974 e foi sucesso na época, sendo publicado por várias revistas já citadas anteriormente.

Uma história meio tampa-buraco?

Uma história meio tampa-buraco?

E o gran finale da revista: Ranxerox! Já escrevi um pouco sobre ele antes, e já não tenho muito assunto para falar, portanto segue algumas imagens legais que selecionei. Seus autores são Tamburini e Liberatore.

Ranxerox!

Ranxerox!

Em manutenção.

Em manutenção.

Sai da frente!

Sai da frente!

No meio de amigos

No meio de amigos

No final!

No final!

E para não ficar um post muito longo, vou fazer um outro só com o encarte MAU – Feio, Sujo e Malvado desta edição.

MUSIC FOR STREETS por Massimo Mattioli

animal

Animal no.3

Essa história foi publicada na revista Animal número 3 e foi desenhada pelo italiano Massimo Mattioli. Originariamente a história é colorida, mas foi publicada em preto e branco. Então resolvi dar um toque pessoal colorindo algumas cenas para dar um maior impacto na leitura.

Sobre Mattioli: nascido em 1943, fazia desenhos e histórias para revistas infantis na década de 1960, até que desbundou na Frigidaire (1980) com seus quadrinhos de desenhos animados misturados com violência gratuita, terror trash, pornografia e humor negro. Ou seja, um dos autores mais legais de se ler na Animal.

Aliás a grande inspiração da revista Animal foi também a italiana Frigidaire, da qual muitos artistas foram publicados pela primeira vez aqui no Brasil. Vide o caso do Ranxerox.

Mattioli teve um grande destaque nas páginas de Animal, fazendo parte da capa de algumas edições, sendo atração em outras e ajudando a influenciar pelo non-sense alguns desenhistas brasileiros.

Mas segue a história de Mattioli com Music for Streets!

1

1

mm2

2

mm1

3

mm3

4

mm4

5

mm5

6

mm6

7

mm8

8

mm9

9

mm10

10

mm11

11

mm12

12

mm13

The end!
Isto é, é o fim, acabou!

Num futuro não muito distante colocarei aqui mais histórias de Mattioli. Aguardem!

Bob Cuspe é a Salvação

E continuando sobre a revista Chiclete com Banana número 1 que comecei neste post, vamos para a primeira história da revista estrelada por um dos principais personagens do Angeli que é o Bob Cuspe, nosso anti-herói!

As páginas estão um pouco “lavadas” pela qualidade da impressão da revista, que infelizmente saiu com muitos defeitos ao longo da edição. Esta é a segunda edição da número 1, lançada quase que três anos atrás do inicio da revista e demonstra a popularidade do Angeli e seus quadrinhos perante o público leitor.

Com esta revista é alcançado um público jovem bem mais amplo que muitos quadrinhos independentes alcançaram até aquela época e influenciou muitos aspirantes a desenhistas (inclusive eu) na forma de fazer seus quadrinhos.

Com toda a certeza Angeli criou uma verdadeira escola de quadrinhos nacionais, influenciando meio mundo daquela época até os dias atuais.

Mas o mais importante é curtir esta história do Bob Cuspe, que aliás conta a sua origem e trajetória, explicando suas motivações pessoais. E ainda continua tão atual nesses tempos em que vivemos.

bob

1

bob1

2

bob2

3

bob3

4

bob4

5

bob5

6

7

7

E em ano de eleição para 2014 fica a dica: Bob Cuspe para presidente!